Diário do Pará

Os casos de naufrágios nos rios do Pará preocupa a Marinha, que realiza, de maneira periódica, operações de fiscalização e apreensões de embarcações em situação irregular. Apenas este ano, já foram registrados 11 naufrágios, que resultaram em 38 pessoas mortas. “São números alarmantes”, afirmou o almirante Edervaldo Teixeira, comandante do 4º Distrito Naval. “Os donos de embarcações não se adequam às normas de segurança. A Marinha se preocupa em combater essa situação, por isso realizamos essas operações, que já resultaram em 97 apreensões de embarcações ilegais”, declarou Teixeira.

No último dia 8, a Marinha apreendeu a embarcação “Arca de Noé”, que navegava de maneira irregular no município de Portel, na Ilha do Marajó. O barco não tinha certificado de uso, o comandante não tinha o documento de habilitação e transportava 22 pessoas no compartimento de cargas, além de uma motocicleta sem o documento. Segundo a Marinha, a embarcação costumava ser usada pelo dono, que não teve a identidade revelada, para transportar madeira, mas havia sido contratada para levar pessoas para uma festa no município de Pacajá. “Essa embarcação não estava apta nem para transportar madeira e, muito menos, para transportar vidas”, disse o Capitão de Mar Jacques Ferreira, comandante do Grupamento de Patrulha Naval do Norte. 

PUNIÇÕES

Durante a entrevista coletiva, realizada na tarde de ontem, a Marinha falou ainda das punições que são aplicadas para os responsáveis pelas embarcações que descumprirem a legislação. “Descumprir essas leis acarretam para o dono e condutor da embarcação a cassação e banimento da carteira de habilitação, além de ficar de 3 a 5 anos em detenção”, disse o Capitão Alexandre Santiago, comandante dos Portos da Amazônia Oriental. “As operações da Marinha são realizadas justamente para apreender quem não anda em conformidade com a lei”, disse Santiago.

Também foi enfatizada a importância de a população denunciar casos de embarcações em condições precárias, com excesso de passageiros e sem equipamento de segurança, por exemplo. “A Marinha faz a parte dela, mas também conta com a ajuda das pessoas que usam essas embarcações”, afirma o almirante Edervaldo Teixeira. 

NAUFRÁGIO

 

Um dos acidentes ocorreu no dia 22 de agosto, quando o navio Capitão Ribeiro naufragou no rio Xingu, entre Porto de Moz e Senador José Porfírio. Ao todo, 23 pessoas morreram e outras 29 foram resgatadas com vida.

SERVIÇO

Se as pessoas notarem algo errado em embarcações, podem entrar em contato por meio do disque-denúncia da Marinha (185) 
ou pelo número 99114-9187




Comente no Site (Clique Aqui)


Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Comente no Facebook (Clique Aqui)


Última modificação em Terça, 12 Setembro 2017 10:51