Segunda, 04 Agosto 2014 22:15

Programa dos candidatos: quem acredita neles?

Escrito por Miguel Oliveira, editor da Coluna do Estado

O advogado e professor Aloysio da Costa Chaves foi o último candidato ao governo do Pará que, a rigor, apresentou um programa de ação estruturado. Foram as Diretrizes de Ação para 1975/79. Ele nem precisaria se dar a esse trabalho: sua indicação, feita de Brasília pelo general Ernesto Geisel, que ocupava a presidência da república, era imposta – literalmente manu militari – aos deputados estaduais de cima para baixo, goela adentro.

Mas o ex-reitor da UFPA e presidente do Tribunal Regional do Trabalho reuniu intelectuais, alguns de esquerda, e fez o seu plano ao longo de semanas de trabalho numa dependência que lhe foi reservada na sede do Banco da Amazônia. Ele tinha uma meta ousada para aqueles tempos: romper com o planejamento federal, que era monopolista; os Estados se limitavam a alocar o que a União determinava. A Amazônia – e o Pará em particular – tinha direito a maior margem de livre arbítrio. Mas Brasília repudiou a audácia e o governador teve que se enquadrar. Mas valeu a iniciativa. Ficou na história do quase-possível.

Desde então, o que devia ser um plano metodologicamente definido se transformou em meras propostas. As deste ano vão do simplório ao insignificante, com uma página e meia, quatro ou 19 páginas de metafísica ou embromação, com uma ou outra exceção. Plano mesmo, no sentido técnico da expressão, só o que o governador Simão Jatene apresentou ao TRE. Não por acaso se intitula Diretrizes de Governo – 2015-18.

O candidato à reeleição é economista por formação, com mestrado na Universidade de Campinas (SP). Não surpreende que suas propostas sejam as mais bem apresentadas, ainda mais porque ele tem a máquina pública ao seu dispor. Seria até um programa a ser considerado, se Jatene não frequentasse o poder desde 1983. Primeiro como secretário de planejamento de Jader Barbalho. Depois, como o todo-poderoso secretário especial de Almir Gabriel. E, por fim, como governador por dois mandatos, à cata do feito inédito de obter o terceiro, sempre através de eleição direta.

Jatene já dispôs de tempo suficiente para apresentar resultados ao invés de novamente fazer propostas e assumir compromissos. Nem mesmo seu secretário de cultura, ad-hoc como secretário do mais-além, Paulo Chaves Fernandes, dispôs de tanto poder durante tanto tempo. Com a enorme diferença de nunca ter sido o chefe da nomenklatura parauara.

A retórica tucana, cheia de neologismos, não-me-toques e jargões politicamente corretos já encheu todas as medidas. A encadernação é de primeira. O conteúdo, de última. Especialmente porque o prospectivo, sempre a invocar pactos e uniões, contrasta com os resultados medíocres. Depois de 16 anos de poder, o PSDB deixou de significar futuro. Mas o que dizer de Helder Barbalho, a alternativa efetiva de poder aos tucanos, que mandou quatro páginas pessimamente costuradas como suas propostas? Um embuste. Merece um velho qualificativo: papelucho.

Assim, cabe ao (e)leitor deste jornal, querendo, estabelecer metas, diretrizes, ações e compromissos concretos e enviá-los para cá ou, ao menos, armazená-los na sua cabeça para cobrar daquele para quem der o seu voto. Se quiser responsabilidade maior, tem espaço aqui para dizer o que exige em troca da digitação eletrônica de outubro. O convite está feito. (Lúcio Flávio Pinto)

Domingo, 06 Julho 2014 18:10

Temporada de caça da imprensa do Pará

Escrito por Lúcio Flávio Pinto, editor do Jornal Pessoal

Oficialmente, a campanha eleitoral de 2014 só agora vai começar. Mas na grande imprensa, que voltou a se partidarizar, ela está pegando fogo. No lugar de objetividade e interesse público, negócios comerciais e envolvimento político. Pìor para a sociedade.

Pelo menos para os dois grupos que dominam a comunicação no Pará, a campanha eleitoral deste ano promete ser nível tão de baixo quanto a de 1990, que reeditou alguns dos piores momentos da história política do Pará. Não está em causa um projeto para o Estado ou visões ideológicas distintas. Os dois agrupamentos têm a mesma origem, na escola de caudilhismo e violência do “baratismo”, criado em torno de Magalhães Barata, e adotam métodos muito semelhantes. O que leva o Liberal e a RBA ao extremo do antijornalismo é uma combinação de fatores.

Alguns são normais, como a rivalidade editorial e a disputa pelo mercado. Outros têm um peso quase sem paralelo na imprensa nacional: o desejo de continuar a saquear  (ou pilhar ainda mais) os cofres públicos e de destruir o rival, não pelo medir de forças entre suas competências, mas por golpes baixos urdidos em suas entranhas e favorecidos pela cumplicidade dos segmentos do poder público que os apoiam e têm deles a reciprocidade vil. É um espetáculo indecente e péssimo exemplo para a sociedade paraense.

O Liberal apresentou mais uma das suas armas ao publicar, na edição dominical do dia 15 ´de junho (aquela que mais vende durante a semana, embora vendendo cada vez menos), como se fossem da ocasião, declarações feitas mais de um ano atrás pelo senador Mário Couto.

O título da matéria não é de notícia, mas de editorial – e dos ruins: “’Jader Filho é ladrão’, acusou Couto”. É uma reação (ou uma antecipação) ao movimento do senador tucano de rompimento com o governador Simão Jatene, do PSDB, e aproximação de Jader Barbalho, do PMDB.

É profilático reacender a memória do eleitor para o que diziam os dois senadores antes que a biruta da política caprichosa incentivasse neles o repentino cultivo de uma verborragia diversa e oposta da que usavam até a véspera. Mário Couto era então porta-voz do grupo Liberal, que o incensava e estimulava seus ímpetos violentos e desarrazoados. Esses pronunciamentos selvagens, feitos diretamente ao jornal ou através da tribuna do Senado, reforçavam a má impressão que o Pará provoca no resto do país e no exterior por sua violência, primitivismo e cinismo. Não que o Brasil seja isento desses maus hábitos. É simplesmente porque no Pará eles são virais e grassam como epidemia.

A imoralidade se generalizou. Como não há causas nobres envolvidas na disputa pelo poder local, os grupos que estão na arena permitem-se todos os tipos de recursos, mesmo os mais venais e irresponsáveis. O Liberal não quer saber do que o jornal publicou ontem sobre os personagens dessa trama. Se eles saem do lado de uma das hordas, bandos ou quadrilhas, deixam de ser louváveis heróis. Passam a ser bandidos. E como tal são tratados, sem que sobre essa mudança o distinto leitor receba qualquer explicação nem a metamorfose se embase no mínimo dos fundamentos.

O procedimento do grupo RBA não discrepa do que vai se tornando (ou vai voltando a ser) o padrão Maiorana de campanha eleitoral. Há mais matérias do tipo que é assinado como “Da redação”, fenômeno já aqui apontado. Elas se multiplicam porque agora a divisão está definida e cria um fosso cada vez maior entre os antagonistas. Daí o anonimato da assinatura coletiva, atrás da qual um repórter mais (ou menos?) consciencioso pode se esconder.

Principal executivo da corporação, Jader Filho se empenhou em profissionalizar a empresa, o que asseguraria sua importância como administrador, dotado de personalidade própria (e poder pessoal). Mas novamente, e talvez de forma irremediável, cedeu e se deixou levar pelos interesses políticos e eleitorais do pai e do irmão, Helder Barbalho, candidato ao governo. Os reflexos dessa volta atrás são mais perenes nas páginas do jornal e mais chocantes nas emissoras de rádio. Os radialistas passaram a se comportar como se sua tarefa fosse irradiar rinha de briga de galo. A mínima compostura na linguagem evaporou.

Não há mais a preocupação com ideias, teses, projetos ou biografias. Foi aberta a temporada de caça ao inimigo. Acautelem-se (e)leitores: o que não vai faltar é bala perdida ameaçando a moral, os bons costumes, a ética, a civilidade, a educação – a sociedade e o cidadão, enfim.

Como reagir? Alguns acham que a saída é parar de comprar os jornais ou não sintonizar mais as emissoras de rádio e televisão. Não partilho essa posição: o contato com os meios de comunicação é sempre útil e até proveitoso, mesmo quando eles se tornam tão ruins, como os nossos. Diante dessa constatação, o que o cidadão pode fazer é inundá-los com mensagens de protesto. Se elas não forem acolhidas, aproveitem a internet para difundir sua insatisfação, indignação ou revolta. Crie-se uma via alternativa à imprensa convencional para que a próxima eleição não se transforme numa lama na qual só um personagem se sente bem a chafurdar: o porco.

Como a imprensa partidária, na qual os dois grupos de comunicação se transformaram, antecipou a campanha eleitoral, então que tenham o voto dos eleitores conscientes. De protesto.

 

Quinta, 26 Junho 2014 21:50

Ameaça ao trabalhador

Escrito por Miguel Oliveira, editor

A principal fonte de recursos para a formação do Fundo de Amparo ao Trabalhador é o PIS/Pasep, descontado nas folhas de pagamento de pessoal. O patrimônio atual do FAT é de quase 205 bilhões de reais. Por imposição constitucional, 75% desse dinheiro (R$ 153 bilhões) têm que ser emprestados ao BNDES. O banco remunera o fundo com juros de longo prazo. A taxa está congelada em 5% ao ano, menor, portanto, do que a inflação.

Não surpreende que o fundo esteja sendo corroído ano a ano. O déficit projetado para este ano é de quase R$ 13 bilhões. Para 2015, pode bater em R$ 20 bilhões. Matéria de O Globo prevê a dissipação do FAT ao longo dos próximos anos. Pode ser exagero. Mas não é exagerado o temor a respeito nem a indignação pelo desvio de dinheiro do salário para apoiar investimentos de capital privilegiados pelo governo, escolhidos por critérios que não são relacionados à criação de riqueza, incluindo o emprego, o resultado que mais interessa ao trabalhador.

Teoricamente, apenas 25% do acervo do fundo se destinam a aplicações relativas ao trabalho assalariado, mas só em tese. É a parte que cabe ao Fundo BB Especial, que não é especializado na criação de empregos através de atividades produtivas.

Se o trabalho não é o vértice da gestão do FAT nem o fundo consegue remuneração adequada para se fortalecer (pelo contrário, se enfraquece cada vez mais), e os investimentos a que ele dá suporte (como os frigoríficos e Eike Batista) quebram, ou o trabalhador vai ficar sem a sua retaguarda ou o tesouro nacional vai ter que cobrir o rombo. O que, aliás, já está fazendo com o BNDES. A drenagem de recursos oficiais para suplementar (em proporção expressiva) a receita do banco virou hemorragia. (Por Lúcio Flávio Pinto)

Domingo, 15 Junho 2014 17:17

O prefeito que Óbidos esquece

Escrito por Miguel Oliveira, Editor

Integrante de uma família ilustre, que teve como maior destaque o governador Aloysio Chaves, Raimundo da Costa Chaves se tornou um desconhecido nos nossos dias. Filho do juiz Abel Augusto de Vasconcelos Chaves e de Anésia da Costa Chaves, nasceu em 1919, em Mosqueiro. Morreu cedo, em 1960, aos 41 anos, no Rio de Janeiro, quando exercia o segundo mandato de deputado estadual. Formou-se em medicina, em 1944, e foi trabalhar para a multinacional americana Hanna, que prospectava ferro e manganês no então território federal.

Em seguida passou pela Estrada de Ferro do Tocantins, que ligava trechos encachoeirados do rio a partir de Tucuruí, e foi exercer a medicina em Óbidos. Teve tanto sucesso que se elegeu prefeito municipal por larga margem de votos. No seu mandato restaurou o serviço de luz, implantou serviço de água, recuperou a ponte da cidade e construiu um grupo escolar de porte. Conquistou por isso dois mandatos de deputado estadual. Não casou e não formou família.

EXPRESSASO prefeito Alexandre Von participou na noite de ontem, sexta-feira (13), da inauguração da Unidade Local do Sistema de Crédito Cooperativo (Sicredi). A instituição opera com 115 cooperativas de crédito, representadas por uma rede com mais de 1.100 Unidades de Atendimento e postos avançados, distribuídos em 905 municípios brasileiros. Hoje a rede de cooperativas conta com mais de dois milhões de associados. *** Começa segunda-feira (16) o cursinho popular da UFOPA, voltado aos jovens de baixa renda que não tem condições de custear um cursinho preparatório para o ENEM. As aulas, desenvolvidas em parceria com a Casa de Educação Popular de Santarém, serão realizadas na sala 201 do ICED, no Câmpus Rondon. Os interessados em participar do cursinho deverão procurar por Bruno Nascimento, no Laboratório de Geografia situado no Câmpus Rondon, bloco 2, de segunda à sexta, das 19h às 22h. *** Capacitar os alunos das comunidades do entorno do Parque Estadual Monte Alegre (Pema), na região do Baixo Amazonas, para o cultivo de hortaliças nas escolas e em suas comunidades é o principal objetivo do projeto “Horta Escolar”, desenvolvido pelos técnicos Elineuza Trindade e Raimundo Raiol, da Diretoria de Áreas Protegidas, da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema).

Sexta, 06 Junho 2014 15:18

Convite de Helder a Lira Maia será feito hoje em Santarém

Escrito por Redação

O presidente em exercício do PMDB, o ex-prefeito de Ananindeua Helder Barbalho, chega no final da tarde a Santarém, para convidar o deputado federal Lira Maia, presidente do Democratas, a integrar a coligação que vai disputar o governo do Estado, em oposição ao governador Simão Jatene.

Hoje de manhã, na sede do partido, em Santarém, Lira Maia confirmou seu rompimento com o PSDB estadual. 

EXPRESSAS - A professora Lucineide Pinheiro, que levou uma surra de votos de Alexandre Von, na última eleição, está perdendo, a cada dia, mais apoio entre aqueles com quem contava para sua pre-campanha à Assembleia Legislativa do Estado. O responsavel pela devastação da horta eleitoral da ex-secretária de educação do governo Maria do Carmo, é também um ex-colega de secretariado na prefeitura, o economista Edmilson Silva, ex-Sefin, que já abocanhou os apoios de importantes cabos-eleitorais na seara da igreja católica de Santarém. *** Quem pensa em constrangimento entre democratas e petistas dividindo o mesmo palanque na eleição majoritária, este ano, parece que esqueceu que o palanque da campanha do plebiscito, em 2011, reuniu gregos e troianos.

Sexta, 09 Maio 2014 07:44

A Amazônia real

Escrito por Com edição de Miguel Oliveira e colaboração de Lúcio Flávio Pinto

O ex-jogador de futebol inglês David Beckham passou pela Amazônia brasileira em março com uma equipe de filmagem da BBC de Londres, que editará um documentário de 90 minutos sobre o “isolamento na selva tropical” e a descoberta do “Brasil real”. O documentário será exibido ao redor do mundo durante a Copa do Mundo, em junho, no Brasil.

Para chamar a atenção para esse trabalho, no qual a BBC investiu muito, a equipe de apoio ouviu a opinião de pessoas selecionadas por seu conhecimento e experiência na Amazônia. Elas foram desafiadas a apontar o que consideram ser a Amazônia real num texto de apenas um parágrafo.

Prestaram depoimentos a pesquisadora Susanna Hecht, que lançou recentemente um livro sobre a viagem de Euclides da Cunha pela região no início do século 20.  Outro pesquisador a dar sua opinião, foi o ecólogo – também americano – Daniel Nepstad. Três brasileiros responderam à indagação da BBC: o arqueólogo Eduardo Neves, da, Universidade de São Paulo, o antropólogo Eduardo Viveiros de Castro, do Museu Nacional do Rio de Janeiro, e Felipe Milanez, ecólogo político, pesquisador e ex-diretor da National Geographic Brasil. Fui outro brasileiro consultado. Escrevi este parágrafo, conforme o pedido:

“Em 2011 houve uma grande cheia na Baixada Maranhense, uma das áreas mais pobres do Brasil, num dos seus Estados mais pobres, apesar de ser a terra natal do ex-presidente José Sarney. A população local ficou isolada. Não podendo mais descer em terra porque as pessoas, famintas e desesperadas, avançavam sobre o aparelho, o helicóptero passou a jogar comida, remédios e roupas do alto, com o risco de as cargas caírem sobre alguém. A poucos quilômetros dali, o maior trem de cargas do mundo, que leva o melhor minério de ferro do planeta da mina de Carajás, no Pará, para o porto da Ponta da Madeira, em São Luís do Maranhão, também parou por causa das águas. Mas logo retomou seu curso, graças à combinação de capital, inventiva e tecnologia. Cerca de 500 homens foram contratados pela mineradora Vale, a maior vendedora de ferro do mundo, construíram diques em torno dos trilhos e retiraram a água que estava dentro com motobombas. O trem voltou a circular, faturando 30 milhões de dólares por dia. Milhares de maranhenses da região continuaram entregues à sua sorte.

Esta é a Amazônia real”.

Agora é esperar pelo documentário.

EXPRESSAS Adam Iskounem, diretor geral da empresa argelina Cervital Internacional, Adam Iskounem, afirmou em visita ao governador Simão Jatene,  que o grupo já comprou um terreno no distrito de Miritituba, localizado à margem direita do Rio Tapajós, no município de Itaituba, sudoeste do Estado. A aquisição da área é o primeiro passo para a instalação do mega investimento, que, segundo os empresários, deve gerar cerca de dois mil empregos diretos no Estado. ***A promotoria de Justiça de Tutela das Fundações e Entidades de Interesse Social, Falência, Judicial e Extrajudicial, por meio do promotor de Justiça Sávio Rui Brabo de Araújo requereu na quarta (7) a 13ª Vara Cível da Capital a “Destituição de Administrador Judicial da Celpa, advogado Mauro Santos,  com pedido de concessão in limine e inaudita altera parte de medida cautelar incidental de indisponibilidade de bens. *** Ministério da Saúde prorroga campanha de vacinação contra a gripe, que se encerraria nesta sexta-feira(9). Os municípios devem continuar a vacinar os grupos prioritários até atingir cobertura de 80%. Em todo o Brasil, 21,3 milhões de pessoas já se protegeram contra a doença, 53,6% da meta

 

Segunda, 05 Maio 2014 15:04

Para a escola

Escrito por Miguel Oliveira Editor

Duas pequenas sugestões para a educação na rede pública de ensino.

Encarando o grave problema de frente, o governo devia criar a guarda educacional para atuar no interior das escolas. Guarda armada apenas com cassetetes. Pessoal bem treinado para agir preventivamente e, na eventualidade de intervir depois, ter competência para usar energia sem violência. Um salário razoável seria complementado por todos os ganhos indiretos possíveis para aumentar o rendimento final.  Como está, a escola virou um campo de batalha.

Para estimular a leitura nas bibliotecas das escolas, lanche especial para os alunos que comprovassem a realização de tarefas dadas pelos professores para atividades diversas. O lanche seria com alimentos não perecíveis, incluindo chocolate produzido na Transamazônica. Dessa maneira também daria apoio a uma das melhores indústrias do interior. Compra em grande escala através de licitação pública.(Por Lúcio Flávio Pinto)

EXPRESSAS - É grande a repercussão nas redes sociais sobre a proposta de fechamento das ruas da orla de Alter do Chão, nos finais de semana e feriados. Quem quiser comentar, e só acessar: https://fbcdn-photos-h-a.akamaihd.net/hphotos-ak-ash4/t1.0-0/1452130_541712215941819_9066953963345148703_t.jpg *** Lúcio Flávio Pinto, articulista deste site, é o único brasileiro entre as cem personalidades escolhidas pela ONG Repórteres Sem Fronteira para integrar o seleto grupo de heróis da informação. *** A Universidade do Estado do Pará (Uepa) abre nesta terça-feira, 6, o período para solicitação de isenção às taxas de inscrição nos Processos Seletivos 2015. Para o Processo Seletivo (Prosel), serão oferecidas 9.923 isenções, sendo 5.667 integrais e 4.256 parciais (50%). Para o Programa de Ingresso Seriado (Prise), serão disponibilizadas 4.256  isenções, entre elas, 2.128 integrais e 2.128 parciais. *** Para solicitar a dispensa do pagamento das taxas, os candidatos devem ser alunos ou terem cursado o Ensino Médio em escola pública ou com bolsa integral em escolas particulares, ser servidores da Uepa ou dependente legal de servidores, ou ainda portadores de deficiência, de acordo com a Lei nº 6.988, de 02 de julho de 2007.*** A solicitação deve ser feita via internet pelo endereço http://www.prodepa.psi.br/uepa,

Terça, 29 Abril 2014 06:41

Negada liminar ao desembargador João Maroja, do TJ-PA, afastado por decisão do CNJ

Escrito por Miguel Oliveira Editor

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), indeferiu pedido de liminar formulado no Mandado de Segurança (MS) 32873, impetrado pelo desembargador do Tribunal de Justiça do Estado do Pará (TJ-PA) João José da Silva Maroja contra ato do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que, em processo administrativo disciplinar (PAD), o afastou cautelarmente de suas funções até decisão final ou ulterior deliberação em contrário do próprio Conselho.

Segundo consta dos autos, o desembargador teve instaurada contra si uma representação perante o Superior Tribunal de Justiça (STJ) e, também, outra no âmbito do CNJ, ambas subscritas pelo Ministério Público Federal (MPF), em razão de suposta participação dele e de seu filho em negociação de resultados de decisões no âmbito da Justiça Eleitoral. Os supostos fatos teriam ocorrido em 2010, quando Maroja exercia a presidência do Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Pará.

A principal alegação da defesa é que haveria ausência de fundamentação para instauração do PAD e para afastamento cautelar do magistrado, dado o caráter genérico e a ausência de elementos concretos para a decisão. Majora alega, também, risco de irreversibilidade da medida, pois deverá aposentar-se compulsoriamente em setembro deste ano.(Agência STF)

EXPRESSAS - Quando o certo está errado. Certo: Divisa proíbe escolas sem refrigerador, porque comunidade não tem energia elétrica,  de receberem merenda escolar in natura. Errado: Semed priva os alunos de comerem alimento saudável e envia apenas enlatados e solúveis. *** O vereador Reginaldo  Campos (PSB) convidou o presidenciável Eduardo Campos a vir em Santarém para conhecer as demandas do Oeste do Pará, durante a estada do ex-governador de Pernambuco, em Belém, no último final de semanal. O vereador defende que a candidatura de Eduardo Campos pelo PSB "é essencial para que o povo brasileiro possa ter uma nova e dinâmica opção, e não a polarização do PT e PSDB que vem alternando há 20 anos".*** O prefeito Alexandre Von espera que, hoje, o governador Simão Jatene anuncie a liberação de 20 km de asfalto para obras de pavimentação em Santarém. *** A rádio Princesa FM, de propriedade do deputado federal Wladimir Costa, o Wlad, inaugurou suas transmissões em Santarém em flagrante desrespeito à legislação eleitoral. 

 

Asdrúbal Bentes: fim de carreira?
Terça, 22 Abril 2014 14:55

Asdrúbal Bentes: fim de carreira?

Escrito por Miguel Oliveira Editor

O deputado federal Asdrúbal Bentes foi denunciado pelo Ministério Público Federal, acusado de trocar votos por cirurgias de esterilização de mulheres quando concorria à prefeitura de Marabá, em 2004. O processo demorou tanto que esse crime prescreveu, extinguindo a possibilidade de punição ao acusado. O enquadramento mantido no prosseguimento do feito foi a esterilização cirúrgica irregular. A lei exige que a laqueadura das trompas só seja realizada 60 dias depois que a paciente tomar a decisão.

A norma não teria sido cumprida pela esterilização de 13 mulheres que se teriam comprometido a votar no candidato do PMDB em troca da cirurgia, realizada através da Fundação PMDB Mulher, da qual participariam seis pessoas.

Asdrúbal, que é advogado, argumentou que não podia ser condenado por esse crime por não ser médico. Mas o Supremo Tribunal Federal o sentenciou à pena de 3 anos, l mês e 10 dias em regime aberto, que pode ser cumprida em sua casa  já que Brasília não dispõe de albergue para seu alojamento. O deputado ficou solto, mas, diante de uma cassação praticamente antecipada, decidiu renunciar ao mandato. Não sem antes prometer que voltará a disputar um cargo quando se completar o seu impedimento, que corresponde ao tempo da pena aplicada.

Asdrúbal Bentes está na vida pública paraense há meio século. Foi professor secundarista (estive entre seus alunos de latim no Colégio Paes de Carvalho), auditor do Tribunal de Contas do Estado (que cumpriu missão técnica política na verificação das contas do meu pai como prefeito de Santarém, na crise de 1967/68) e passou para a carreira política.

É um currículo expressivo, ainda que – ou porque – polêmico. Navega pelas águas do senador Jader Barbalho no PMDB, mas sempre resguardou um afluentezinho para a sua navegação própria, que desaguou em Marabá e áreas próximas. Ele se diz injustiçado pelo STF e alega que foi enquadrado no crime de esterilização por falta de outro, já que a acusação cabível não chegou a ter seu mérito examinado para uma decisão.

Nesse caso, a justiça mirou no crime que viu e acertou no que não cabia. Uma situação que pode ser examinada por sua dimensão técnica, mas também pelo seu significado moral.(Lúcio Flávio Pinto)

EXPRESSASA Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA) está com inscrições abertas até o dia 24 de abril, quinta-feira, para os Processos Seletivos Simplificados (PSS) que objetivam preencher 16 vagas de professor substituto do Magistério Superior da Universidade, em regime de trabalho de 40 horas semanais. As unidades acadêmicas, temas, programas e requisitos de cada vaga podem ser conferidos no edital 06/2014 (em anexo) ou no site da UFOPA (www.ufopa.edu.br). *** O município de Juruti sedia, de 24 a 27 de julho, mais uma edição do Festival Folclórico das Tribos Indígenas, evento turístico que tem como objetivo a preservação das tradições histórico-culturais do Pará, o que o torna um dos mais belos da Amazônia. Também conhecida como Festribal, a festa é marcada pela disputa entre as tribos Muirapinima e Munduruku. A “rivalidade” é medida por meio de rituais de dança e coreografias. *** A exemplo de anos anteriores, a Companhia Paraense de Turismo (Paratur) fechou parceria com o grupo de Comunicação Amazon Sat, que através da TV Amazon Sat, Portal Amazônia e diversas mídias sociais, mostra a amazônica paraense para cerca de 180 países. Essa parceria com a Amazon Sat permite a divulgação dos principais segmentos turísticos do Pará: cultura, natureza, sol e praia, eventos e negócios.

Terça, 15 Abril 2014 13:35

Rogério Corrêa, o bom

Escrito por Miguel Oliveira Editor

Com Rogério Campos Corrêa, que morreu no dia 30, aos 77 anos, perdeu-se a melhor fonte oral sobre a história recente de Santarém. Os pacientes de consultório e os interlocutores de Rogério eram presenteados com árvores genealógicas completas dos personagens em que estavam interessados. Mas não só com linhas de ascendência e descendência do cidadão: ouviam relatos íntimos de atos e situações que o envolviam, de boatos e verdades, de juízos críticos sobre a figura.

Não era só por causa da sua excepcional memória que Rogério era um tesouro informativo sobre o cotidiano de Santarém, o mais recente e o mais remoto. Sua curiosidade era inesgotável e seu apreço pelo ser humano, sem limites. Rogério não apenas procurava as informações: queria ver e ouvir as pessoas. Podia ser um integrante das mais gradas famílias ou um tipo popular do mercado ou da feira. O interesse de Rogério era legítimo e fecundo. Suas histórias eram vívidas porque ele próprio as testemunhara ou as ouvira de uma testemunha.

Rogério era um dentista (ou odontólogo, na terminologia mais apurada) – e era dos melhores profissionais desse ramo do saber em Belém e em qualquer outra praça do país. Trabalhava com esmero, guiado pela eficiência técnica e a alegria de realizar aquilo que gostava de fazer. Mas era político por vocação, de valor ainda maior porque, além de habilidade inata, exercer esse ofício com amadorismo, por puro deleite. O maior político da família, embora, formalmente e para todos os efeitos concretos, essa posição fosse ocupada por seu irmão mais velho, Ubaldo.

A política de Rogério consistia em partilhar o que sabia com seus clientes e amigos, renovando a cada dia esse circuito de conhecer e difundir que formava através das visitas que fazia, das caminhadas, das viagens e de qualquer ocasião que lhe servisse de oportunidade para travar relações humanas. Cativava pelo seu jeito simples de ser e inspirava confiança pela forma igualitária na abordagem das pessoas.

Fui seu amigo, camarada e cliente em escala crescente ao longo dos anos, sem que as desavenças políticas entre os tuxauas das nossas famílias fossem capazes de macular ou mesmo se infiltrar no querer bem mútuo que cultivamos até o último momento das estações dolorosas pelos quais passou nos últimos tempos da sua vida. Estações que se multiplicaram porque ele amava a vida. Guerreou por ela até o momento derradeiro, travando o bom combate reservado a grandes figuras humanas, como ele. ( Lúcio Flávio Pinto)

EXPRESSAS - Os juízes eleitorais e Chefes de Cartórios estão reunidos desde segunda-feira, em Salinõpoli, para discutir o pleito eleitoral de 2014. De Santarém três juízes das Varas Penais, que respondem atualmente pelas três Zonas Eleitorais da Comarca (Gerson Marra Gomes -10ªVP/20ªZE, João Ronaldo Corrêa Mártires, 6ªVP/83ªZE e Marcelo Gois - 4ªVP e 104ªZE), viajaram no domingo para participar do encontro. Todas as audiências e júris marcados para esta semana, foram transferidos para outras datas em virtude do compromisso dos juízes.*** O deputado Nélio Aguiar (DEM) está solidário as famílias e a comissão de vereadores da Câmara de Itaituba na campanha junto as autoridades de Brasília na luta pelas buscas ao avião bimotor que  desapareceu, há cerca de um mês, na floresta amazônica, entre os municípios de Itaituba e Jacareacanga.***Nélio Aguiar, que já foi capitão do Exército, solicitou nesta terça-feira, 14, através de ofício, ao ministro da Defesa, Celso Amorim,  que envie a Jacareacanga tropas para auxiliar, com urgência nas buscas por sobreviventes.

 

 

 

Quinta, 10 Abril 2014 16:59

Jari inundado. O Liberal e Diário do Pará devem à Celpa R$ 12,8 milhões

Escrito por Miguel Oliveira Editor

Com as atenções voltadas para o rio Madeira, foi discreto e desatento o registro sobre a cheia do rio Jari, que também excedeu a média anterior e provocou o desmoronamento da ensecadeira da hidrelétrica de Santo Antônio da Cachoeira, matando quatro operários. O acidente aconteceu na madrugada de domingo, 30. Apenas um corpo havia sido resgatado quando esta matéria foi escrita

A hidrelétrica, no valor de quase 800 milhões de reais, quase integralmente financiados pelo BNDES, vai gerar pouco mais de 370 MW, o equivalente a uma das 23 máquinas da hidrelétrica de Tucuruí. Essa energia daria para suprir as necessidades de três milhões de pessoas, seis vezes mais do que a população de Macapá, um dos seus destinos.

Seu mercado preferencial, porém, será a fábrica de celulose da Jari e as necessidades desse polo, entre o Pará e o Amapá.. O consórcio responsável pela usina é formado pela Ece Participações, com 90% do capital, e a Jari Energética, com 10%. A barragem fica próxima à cachoeira de Santo Antonio, uma das mais bonitas da região. Como se localizará acima dela, não a eliminará, como Itaipu fez com Sete Quedas, no Paraná. O reservatório ocupará área de pouco mais de 30 quilômetros quadrados, sendo 17 km2 de área efetivamente nova e 14 km2 da calha do rio Jari.(Lúcio Flávio Pinto)

EXPRESSAS- O Liberal reservou a capa da sua edição dominical do dia 30 de março para criticar a Celpa, no auge da campanha que desencadeou contra a empresa de distribuição de energia do Pará. Motivos para atacar a Celpa não faltam, mas a razão da ofensiva do jornal é outra: ele se recusa a pagar sua conta de energia. *** Em 2012 o grupo Liberal devia, em conjunto, devia à Celpa 7.5 milhões de reais, sendo R$ 4,7 milhões da TV Liberal, R$ 3 milhões da Delta Publicidade , que edita os jornais O Liberal e Amazônia, e R$ 500 mil da Rádio Liberal. *** As contas vencidas e não pagas do grupo RBA, do senador Jader Barbalho, somavam então R$ 5,3 milhões, dos quais R$ 2.7 milhões da TV, R$ 1,3 milhão do jornal Diário do Pará, e R$ 300 mil da Rádio Clube do Pará. *** O ministro da Educação, José Henrique Paim, empossou,  quarta-feira, dia 9, em Brasília (DF), a reitora eleita da Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA), Profa. Dra. Raimunda Nonata Monteiro. Além de assinar o termo de posse, a reitora aproveitou a solenidade, realizada na sede do Ministério da Educação (MEC), para assinar a portaria que nomeou o vice-reitor da UFOPA, Prof. Dr. Anselmo Colares.

 

Sábado, 05 Abril 2014 08:09

O fator Duciomar na disputa do governo do Pará

Escrito por Miguel Oliveira Editor

A semana termina com o vazamento de articulações que o ex-prefeito de Belém Duciomar Costa(PTB) estaria fazendo para se posicionar no tabuleiro politico da sucessão estadual. A uns, Dudu diz querer disputar a cadeira de Simão Jatene(PSDB). A outros, diz que se contenta em enfrentar a disputa pela vaga de Mário Couto (PSDB).

Quem conhece um pouquinho mais Dudu e não se deixa impressionar pela difusão de factoides nas redes sociais, sabe que o ex-prefeito da capital mira no Governo para acertar o Senado, tal a falta de unanimidade da maioria dos partidos da situação em torno do atual senador,

Dudu é esperto, para não dizer espertalhão. Sua entrada na cena política, embora muitos venham a raciocinar o contrário, favorece Simão Jatene, candidato a reeleição. Seria mais um a dividir os votos, fracionando o eleitorado ao ponto de facilitar a vantagem de quem será candidato ao governo permanecendo no cargo e, como todos sabem, se utilizando da estrutura administrativa que a lei eleitoral lhe permite desfrutar.

Quem entende de política diz sempre que o governo tem, pelo menos, um terço do eleitorado no começo da campanha. E Dudu, se não for candidato a senador, vai tirar votos não de Jatene, mas de Helder Barbalho(PMDB).

EXPRESSAS -  Dia 9 de abril O Estado do Tapajós, a versão digital que você lê aqui, no site www.oestadonet.com.br, completa seu primeiro ano na internet. *** Nesse período, OEstadoNet, como é conhecido, alcançou a invejável marca de 16.400 publicações diárias, em média, o que traduz a quantidade de vezes que um arquivo é exibido. *** Para o sucesso desse projeto que tornou-viável a migração do conteúdo impresso de O Estado do Tapajós para o formato digital, em tempo real, alguns parceiros e colaboradores tiveram um papel significativa durante sua implantação, cuja primeira fase de completa na próxima terça-feira, dentre os quais destacamos Jonas Meneses, titular da agência Vox Green e Tadeu Pontes, da agência Comercial On Line. *** Entre os colaboradores, começando pela turma da redação, foram fundamentais para a implantação de OEstadoNet os jornalistas Alailson Muniz, atual diretor do novo jornal impresso Tapajós Agora, e Silvia Vieira, redatora, Lúcio Flávio Pinto, Nicodemos Sena, Edson Matoso, José Carlos Lima, Ruth Rendeiro e Rosélio da Costa Silva, nosso colunistas. *** Mas para que este jornal mantivesse seu nível de profissionalismo, agências de publicidade importantes destinaram anúncios de seus clientes, dentre as quais Griffo, Galvão, DC-3, Temple e EBC. *** Mas o principal responsável pelo sucesso de OEstadoNet é você, leitor, que nos brinda com seu prestígio de audiência, todos os dias. Muito obrigado e parabéns a todos nós.

 

Pedro Henrique Araújo, presidente do CRC
Quinta, 03 Abril 2014 07:00

Articulação de Lira Maia derruba taxação da soja

Escrito por Miguel Oliveira Editor

Acontece nesta sexta-feira,4, no Hangar em Belém a posse da nova diretoria do Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Pará, que tem como novo presidente Pedro Henrique Araújo que ficará frente do órgão no biênio 2014\2015. No evento serão apresentados os 22 novos conselheiros, que vão se juntar aos já empossados.

Pedro Henrique pretende durante o seu mandato trabalhar em prol de todos os profissionais da classe contábil; criar novas delegacias na Região Metropolitana de Belém e interior do estado; a educação continuada também é uma das metas a ser cumprida, além de melhorar a qualidade do serviço oferecido pelo CRC. Atualmente o Pará conta com cerca de 10 mil contadores registrados.

EXPRESSAS - O deputado federal Lira Maia(DEM-PA) liderou, nesta quarta-feira(2), em plenário a aprovação do destaque à Medida Provisória 627/13 e retirou do texto artigo que condicionava a suspensão de PIS/Pasep e da Cofins na venda de soja ao uso do grão para a industrialização de produtos como óleo, margarina, rações ou lecitina. *** A Secretaria de Estado de Administração (Sead) publicou no Diário Oficial do Estado (DOE) dia 2 a retificação do cronograma do concurso público da Fundação Amazônia Paraense de Amparo à Pesquisa (Fapespa). Foi incluído no cronograma o prazo de 31 de março a 1º de abril para interposição dos recursos, e a nova data para divulgação do resultado final do certame está prevista para o próximo dia 24. O cronograma retificado de execução do concurso da Fapespa está disponível na edição eletrônica do DOE (http://www.ioe.pa.gov.br).***  "50 Anos do Golpe Militar - Descomemoração", é evento que será realizado hoje e amanhã, a partir das 19 horas, no auditório anexo ao Campus Amazônia da UFOPA, com a participação dos professores Anselmo Colares e Túlio Novaes.

Segunda, 31 Março 2014 17:19

A arriscada manobra política de Sidney Rosa

Escrito por Miguel Oliveira Editor

Quando ainda era secretário especial do governo, Sidney Rosa decidiu abandonar o PSDB, pelo qual foi eleito deputado estadual, e se filiar ao PSB. O motivo: não lhe foi assegurada a vaga de senador, que ele pretende disputar. Era uma atitude temerária porque adotada no mês de outubro de 2013, a um ano da eleição de 2014. A partir desse momento, a mudança de legenda só pode ser feita no caso de fusão ou incorporação de partido. Logo, o secretário se sujeitava a perder o mandato, que retomou em seguida, ao deixar o poder executivo.

O Ministério Público Eleitoral, cumprindo a lei, solicitou a perda do mandato de Rosa. Na semana passada, porém, o Tribunal Regional Eleitoral rejeitou o pedido. Aceitou a argumentação da defesa de que Rosa foi discriminado no PSDB, por isso teve que procurar outro partido. Mesmo que a tese tivesse abrigo legal (e não tem), todos sabem que na época o PSD, presidido pelo também secretário (e agora conselheiro escolhido para o Tribunal de Contas dos Municípios) Sérgio Leão, era linha auxiliar do PSDB. Assim, o situacionismo teria dois candidatos ao senado: Mário Couto, que busca a reeleição, e Rosa, apoiado informalmente pela máquina.

O problema é que o PSD, comandado nacionalmente pelo ex-prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, tomou outro rumo, mais para o lado de Dilma do que dos tucanos. Sidney Rosa corre o risco de ficar ao relento. Ou por manobra política no PSB ou por uma revisão do Tribunal Superior Eleitoral da estranha decisão do TRE do Pará, que é bem possível.(Lúcio Flávio Pinto)

EXPESSAS - Começa nesta terça-feira(1) em Santarém um encontro promovido pela Seduc sobre o Pacto pela Educação do Pará na Região do Baixo Amazonas.  A equipe do Instituto Synergos, um dos parceiros do Pacto, vai coordenar  oficina  para os membros do Comitê Regional visando a  elaboração de planos Municipais de Educação (PMEs). *** Durante o encontro haverá apresentação e discussão dos programas Mais Educação, Sistema de Avaliação Paraense de Educação, e do Parfor - Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica. *** Dos artistas premiados no salão deste ano do Diário Contemporâneo de Fotografia, promovido pelo Diário do Pará, oito são de São Paulo, sete do Rio Grande do Sul, seis de Minas Gerais e apenas três do Pará (10% dos fotógrafos premiados). Caiu a qualidade ou a quantidade na fotografia local?

 

 

Avenida Presidente Vargas já dispõe de um túnel de manguerias. Foto: Manuel Dutra
Quinta, 27 Março 2014 15:44

Arborização vai ser política municipal de governo

Escrito por Miguel Oliveira Editor

Mesmo com o atraso de décadas, a prefeitura de Santarém resolver integrar aos projetos de infra-estrutura os planos de arborização de vias e obras públicas, como praças e escolas. O anúncio foi feito nesta quinta-feira, pelo secretário de meio ambiente do município Podalyro Neto, durante o ciclo de palestras sobre arborização e paisagismo, realizado em comemoração à Festa Anual das Árvores. A partir das conclusões das palestras foi constituído um grupo técnico para elaborar a politica municipal de arborização, com ênfase à produção de mudas, plantio e conservação de espécies florestais, nativas ou não, em vias públicas e, até, em quintais da população.

EXPRESSAS - O vice-governador Helenilson Pontes propôs a criação de 3 zonas de livre comércio no Pará, através de projeto assinado pelo deputado federal Wandenkolk Gonçalves(PSDB). Acontece que essas zonas já foram criadas por iniciativa do senador Flexa Ribeiro, mas até hoje não foram instaladas pelo governo federal. *** A administração da UFOPA virou torre de Babe. Ninguém se entende quando tem que resolver coisas simples, como o processo de matrícula, por exemplo.*** Enquanto isso a gestao pro-tempore de Raimundinha Faleiro vai ganhando tempo e espichando o período biônico. ***   O gabinete da presidente Dilma Roussef respondeu ao oficio do deputado Nélio Aguiar (DEM) que solicita a construção de um novo aeroporto para Santarém. A correspondência  presidencial enviada ao parlamentar diz “que o referido documento solicitando a construção do novo aeroporto foi encaminhado à Secretaria dAviação Civil da Presidência da República, por meio do memorando”. A correspondência da presidência da república diz, ainda, que o deputado pode acompanhar o processo através de contato direto com o órgão indicado.*** DNIT pretende cortar dezenas de manguerias que estão plantadas no canteiro central da avenida Cuiabá, durante a execução do projeto de duplicação das pistas e construção de viadutos

 

Domingo, 23 Março 2014 18:36

Crime contra floresta

Escrito por Miguel Oliveira Editor

Em 1991, apenas 1% da madeira tropical que chegava aos portos da Inglaterra provinha de área certificada (e, por isso, de suposto manejo florestal). Quase duas décadas e meia depois, esse índice cresceu muito. Mas parou em 10%. Os 90% dominantes continuam a vir de áreas de desmatamento ilegal. Como é possível que ainda se mantenha esse alto percentual de ilegalidade? Porque a extração de madeira está sob o domínio do crime organizado dos principais países da Amazônia, África Central e sudeste da Ásia, que são também os principais centros de extração de madeira da floresta nativa. Essa atividade ilícita e criminosa rende 30 bilhões de dólares ao ano, 30% da receita mundial de madeira. Foi o que denunciaram representantes do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) e da Interpol. Num fórum realizado em Belém no final do mês passado, eles recomendaram providências para combater essas quadrilhas. Algumas iniciativas estão em andamento, mas num compasso muito mais lento do que os que são os seus alvos. Quando o índice positivo dobrará de novo? Quando se tornar compatível com o grau de conhecimento sobre as florestas tropicais, o quanto delas terá sobrevivido? (Por Lúcio Flávio Pinto)

EXPRESSAS - Dia Mundial da Água, transcorrido dia 22, é bom registrar que, no ano de 2013 a MRN recuperou 88% da água utilizada no processo de beneficiamento de minério, comprovando o seu compromisso com o meio ambiente. *** Na próxima terça-feira, 25, acontecerá a abertura do V Workshop do HRBA, que  abordará a temática da Assistência de Urgência e Emergência em Santarém, a partir da implantação do Time de Resposta Rápida, projeto inovador com um ano de atuação no HRBA. O evento é destinado a profissionais da Saúde com vagas para servidores do Hospital Regional, Hospitais de Santarém e acadêmicos da área da Saúde (médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, enfermeiros, residentes médicos e multiprofissionais), inscritos na Diretoria de Ensino e Pesquisa (DEP) do HRBA.*** O workshop seguirá até a quinta-feira, 27 e terá a palestra de profissionais da saúde de Santarém, Belém e São Paulo, que falarão sobre resgate aéreo na Amazônia, em Santarém e também sobre acidentes de trânsito, acolhimento e classificação de risco, parada cardiorrespiratória, insuficiência respiratória e suporte ventilatório, além da implantação do Time de Resposta Rápida no HRBA.