PM's que praticam crimes estão sendo investigados de forma isenta, garante o delegado geral da PC

Em entrevista à reportagem do portal OESTADONET, o delegado geral da Polícia Civil do Pará, Rilmar Firmino, afirmou que os recentes casos envolvendo mortes de civis por policiares militares estão sendo apurados com rigor e de forma isenta. Em Santarém, a Polícia Civil apura as responsabilidades da morte de um bandido por homens do Grupo Tático Operacional, quando ele já havia sido capturado.

  A versão oficial da Polícia Militar foi a de que o criminoso reagiu e a Polícia foi obrigada a atirar. De acordo com Firmino, a investigação e a perícia são separadas da Polícia Civil. "Não temos dificuldade em apurar, existem muitos confrontos no Brasil, porque a bandidagem perdeu o medo da Polícia. É diferente de grupos de extermínio. Nós prendemos há dois meses atrás 14 pessoas envolvidas, inclusive sete policiais militares envolvidos em matanças em Belém. O caso que ocorreu aqui está sendo investigado com rigor e daremos a resposta. Não temos dificuldades, nem medo de apurar quem quer seja, porque quando um agende público armado comete um crime é pior que o criminoso. Ele está usando o armamento do Estado e dinheiro do contribuinte", ressaltou Firmino.   Assassinatos de prefeitos   Os casos recentes de assassinatos de prefeitos nos municípios de Goianésia, Bréu Branco e Tucuruí, também estão sendo investigados pela Polícia Civil. Segundo Firmino, nos três casos, os suspeitos eram aliados dos prefeitos. Segundo investigações preliminares da PC as motivações são diversas: interesse financeiro em licitações fraudulentas, disputa partidária e jogo de vaidades.   "No caso específico de Breu Branco foi o presidente do partido que planejou e matou o prefeito. Era por interesse financeiro. Ele achava que o prefeito do partido dele não se elegendo ele ia se beneficiar das licitações, em especial, o transporte escolar. No caso de Goianésia, foi ingrediente político, o finado Zé Ernesto, que era vereador, queria ser prefeito e na pesquisa o Russo, o então prefeito, era apontado como primeiro colocado e seria reeleito. Planejou e executou a morte do prefeito. No caso de Tucuruí, pessoas no meio do prefeito, eram aliadas do prefeito, inclusive a mãe do vice-prefeito. No contexto geral, a gente vê que não é por ser prefeito que o cidadão vai ser morto, na verdade são alianças que se fazem, quando contrariam interesses do próprio", analisou o delegado geral.

 

CGU apura desvio de recursos destinados à merenda escolar em Castanhal
Quinta, 09 Novembro 2017 09:17

CGU apura desvio de recursos destinados à merenda escolar em Castanhal

Escrito por Portal OESTADONET

O Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU) participa, na manhã desta quinta-feira (9), no estado do Pará, da Operação Concorrência Zero. O trabalho é realizado em parceria com a Polícia Federal (PF). O objetivo é desarticular organização criminosa responsável por desviar verbas públicas, entre 2015 e 2016, destinadas à merenda escolar em Castanhal (PA).

As investigações apontam irregularidades na contratação de associação pela prefeitura para o fornecimento de itens de agricultura familiar às escolas do município. A CGU constatou que a entidade era composta por membros fantasmas/laranjas, os quais não residem em Castanhal ou não apresentam ocupações relacionadas à atividade rural.

Além disso, as atas de assembleias da associação trazem indícios de terem sidos forjadas, para conferir ares de legalidade às suas atividades. Há suspeita de ligação com político da região. Nos últimos quatro anos, a entidade foi beneficiada com contratos na ordem de R$ 8 milhões, celebrados com diversas prefeituras paraenses.

Os recursos desviados são oriundos do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). A Operação consiste no cumprimento de cinco mandados de busca e apreensão. O trabalho conta com a participação de cinco auditores da CGU e 45 policiais federais.

Locais de provas do Encceja, dia 19, podem ser conhecidos a partir desta quarta-feira à tarde
Quarta, 08 Novembro 2017 10:46

Locais de provas do Encceja, dia 19, podem ser conhecidos a partir desta quarta-feira à tarde

Escrito por Agência Brasil e redação de OESTADONET

Os candidatos que vão fazer o Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja) poderão consultar o local de prova a partir das 13h00 desta quarta-feira (8), na página do participante. O exame será aplicado no dia 19 de novembro.

Neste ano, 1,5 milhão de pessoas de todo o Brasil se inscreveram para fazer o Encceja, que é direcionado aos jovens e adultos que não concluíram os estudos em idade própria. Em Santaém, são cerca de mil candidatos inscritos.

As provas serão realizadas em dois períodos - 08h00 às 12h00 e 14h30 às 19h30 - no horário de Santarém, nos colégios estaduais Madre Imaculada, Onésima Pereira de Barros, Almirante Soares Dutra, São Francisco, Rio Tapajós e Júlia Passarinho.

Requisitos para participar

Os participantes precisam ter, no mínimo, 15 anos completos na data de realização do exame, para quem busca a certificação do Ensino Fundamental. Quem busca a certificação do Ensino Médio tem que ter, no mínimo, 18 anos completos na data de realização do exame.

As provas serão aplicadas pela manhã e à tarde.

Os alunos do Ensino Fundamental vão fazer provas de ciências naturais, história e geografia pela manhã e de língua portuguesa, língua estrangeira, artes, matemática, educação física e redação à tarde.

Candidatos do Ensino Médio vão fazer provas de ciências da natureza e ciências humanas pela manhã e de linguagens e códigos, redação e matemática à tarde.

A partir deste ano, a certificação de conclusão do Ensino Médio só poderá ser feita por meio do Encceja. Até o ano passado, os estudantes com mais de 18 anos poderiam usar o desempenho no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para receber o diploma do ensino médio.

O Encceja para pessoas privadas de liberdade e jovens sob medida socioeducativa (Encceja PPL) será aplicado nos dias 21 e 22 de novembro.

No portal do Encceja é possível se informar sobre as competências que serão cobradas na prova e baixar materiais para estudo.

EUA participam como observadores de exercício militar na Amazônia
Quarta, 08 Novembro 2017 10:08

EUA participam como observadores de exercício militar na Amazônia

Escrito por Agência Brasil

O general Guilherme Cals Theophilo Gaspar de Oliveira, comandante logístico do Exército, disse que os Estados Unidos (EUA) participam de exercício militar multinacional de simulação de ações de ajuda humanitária desde o dia 6, em Tabatinga, no Amazonas, por conta de sua reconhecida competência em situações de emergência.

O militar, comandante-geral do AmazonLog, nome dado ao evento, classificou como ‘teoria da conspiração’ afirmações de que a presença de militares norte-americanos seja uma ameaça à soberania nacional.

Marcado para o período de 6 a 13 de novembro, em Tabatinga, na tríplice fronteira com a Colômbia e Peru, o exercício de simulação recebeu críticas desde o anúncio da participação dos EUA.

O general rebateu declarações do ex-chanceler Celso Amorim, do senador Linbergh Farias (PT-RJ) e do líder do Psol na Câmara, deputado Glauber Braga (RJ).

Em outubro, Glauber Braga encaminhou requerimento ao ministro da Defesa, Raul Jungmann, e ao comandante do Exército, general Eduardo Villas Boas, pedindo informações sobre a participação de militares dos Estados Unidos. Segundo o parlamentar, a medida poderia representar a possibilidade de perda de soberania e ou de subordinação do Exército.

Para o militar, as críticas foram mal intencionadas. “Os EUA têm uma expertise muito grande no que se refere à ajuda humanitária. Só de furacões os Estados Unidos tiveram esse ano uns quatro e rapidamente o país se reconstruiu. Além disso, tem uma expertise para passar para a gente em incêndios florestais”. A seguir, ele lembrou incêndios nas Chapadas dos Guimarães e  Diamantina. “Roraima vive queimando e nós nunca aprendemos que temos que combater a incêndios florestais. Por que não passar esse conhecimento para a gente?”, questionou.

O general lembrou que anualmente são realizados exercícios com tropas estrangeiras na Amazônia, entre elas as dos Estados Unidos. “Comandei (as tropas do Exército) na Amazônia por quatro anos e todo ano a gente tem exercícios conjuntos com destacamentos de operações de forças especiais da Amazônia. Quantos pesquisadores americanos vêm para cá trabalhar conosco no Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia (Inpa)? Os EUA trabalham com a gente, a Alemanha trabalha com a gente”, disse. “É totalmente sem cabimento quem levanta [a tese] de que os Estados Unidos vêm para cá com alguma outra intenção de que não seja a de cooperar na ajuda humanitária”, acrescentou.

Troca de informações

O representante do Exército dos EUA, coronel Truax, reafirmou a missão dos militares de seu país. Eles participarão do exercício com uma aeronave . Segundo disse, depois da atuação conjunta na ajuda às vítimas do terremoto do Haiti, em 2010, houve a intenção de estreitar a troca de informações visando uma melhor coordenação de esforços em caso de nova ação conjunta.

“A nossa experiência é que o Exército do Brasil facilitou muito a chegada e a disposição de recursos de ajuda humanitária, especialmente nas primeiras horas para resposta internacional. Por isso, quando recebemos o convite para estar aqui no Brasil, não importa o lugar, na Amazônia ou em Porto Alegre, dissemos que queríamos estar mais preparados para incrementar a nossa interoperabilidade para quando acontecer a necessidade de atuar juntos em ações humanitárias, assim como com os colombianos e peruanos também”, disse Truax.

Durante a entrevista, o general Guilherme Cals reafirmou que o objetivo do evento é criar diretrizes para socorro a vítimas em caso de catástrofes na região da tríplice fronteira amazônica. Serão realizadas simulações, atendimento a vítimas de incêndios florestais, terremotos, secas, enchentes, acidentes com embarcações e também de ações humanitárias para casos de grande contingente de deslocamentos humanos, como no caso de refugiados.

Atividade reúne observadores de mais de 20 países

No total, devem participar da simulação cerca de duas mil pessoas, dos quais cerca de quinhentas são estrangeiras. Além de militares do Brasil (1.550), Colômbia (150), Peru (120) e Estados Unidos (30), observadores de mais de 20 países devem acompanhar as ações, entre eles, da Alemanha, Argentina, Chile, Equador, México, França, Reino Unido, Espanha, Rússia e Venezuela.

Também participam funcionários de órgãos federais e estaduais como a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), Fundação Nacional do Índio (Funai), Polícia Federal, a Receita Federal, entre outros.

A atividade envolve unidades de transporte, logística, manutenção, suprimento, evacuação e engenharia. No caso de catástrofes, por exemplo, isso implica o planejamento logístico de deslocamento de equipamentos, suprimentos e equipes até o local da ação. Além de preparar a área, é preciso pensar como atender feridos. Também serão feitos atendimentos às comunidades que vivem na região, como indígenas e ribeirinhos do Brasil e de países vizinhos, nas especialidades de clínica geral, ginecologia, pediatria e ultrassonografia. Um cirurgião ficará no Hospital de Guarnição de Tabatinga.

Experiência no Haiti

“O exercício parte da premissa que o apoio humanitário é fundamental e tem que ser dividido entre os países da América do Sul. A ideia surgiu de recentes problemas, principalmente no Haiti, quando permanecemos por 13, 14 anos no país amigo e tivemos ocasiões de terremotos, furacões e a gente viu a dificuldade de apoiar a população nessas calamidades”, disse o militar brasileiro.

Segundo ele, a escolha do local se deve ao fato de que a região é reconhecidamente um lugar de difícil acesso. Tabatinga fica distante 1,1 mil quilômetros de Manaus, onde só é possível chegar de barco ou avião. A cidade, com pouco mais de 60 mil habitantes, está localizada na tríplice fronteira com as cidades de Santa Rosa, no Peru, e Letícia, capital da província de Amazonas, na Colômbia.

“Estamos fazendo aqui [ações] para que todas as dificuldades de chegar na Amazônia sejam levadas em consideração, falta de estrutura de comunicação, falta de recursos, falta de energia, água potável para que possam aparecer soluções”, explicou.

Centro de controle logístico está sendo criado

O general afirmou ainda que está sendo criado um centro de controle logístico multinacional no Ministério da Defesa, com o apoio e participação da Organização dos Estados Americanos (OEA) e da Junta Interamericana de Defesa (JID). Criada em 1942 pelos EUA para combater os nazistas, a junta tem atuação em programas de desminagem (operação de remoção de minas) e em pronta-resposta para casos de desastres naturais no continente americano.

De acordo com o militar, a intenção é montar uma estrutura para que cada país possa definir a sua aptidão numa equipe multinacional. “Diante da calamidade, um país leva a parte de água; outro se preocupa com a saúde; outro leva combustível e alimentação. Dessa maneira, fica mais fácil o atendimento à população no caso desses imprevistos de calamidade pública”, afirmou.

“Não só as Forças Armadas, mas as agências civis que também estão presentes. É de grande importância que a Defesa Civil, que vai gerenciar esse atendimento, esteja apoiada pelas Forças Armadas, que têm uma capilaridade muito grande em todos os países”, finalizou.

Este ano, segundo advogado é morto em São Félix do Xingu
Quarta, 08 Novembro 2017 08:27

Este ano, segundo advogado é morto em São Félix do Xingu

Escrito por Portal OESTADONET

Um advogado foi executado na noite de terça-feira (8), no município de São Félix do Xingu, no sudeste paraense. Mario Pinto havia ido buscar a esposa no trabalho quando foi alvejado três vezes por um atirador em uma motocicleta.

O crime ocorreu por volta das 20h, em frente à escola municipal Filomeno de Sousa Reis. Segundo o delegado Leilano Mendes, o caso apresenta características claras de execução. "Com as circunstâncias que ocorreu, dele chegar atirando e fugir, não bota dúvidas sobre o tipo de crime. Ainda não há informações sobre suspeitos e motivação do homicídio, mas já estamos colhendo algumas informações", afirmou.

Mario é o segundo advogado morto no município neste ano. Em setembro, a advogada Dilamar Maritins Silva foi encontrada morta em uma fazenda de sua propriedade. O delegado, entretanto, afirma que os casos são tratados de forma diferente. "O caso da Dilamar foi um funcionário da fazenda que surtou, acabou cometendo o homicídio. Ela não militava como advogada. Ao contrário da morte do Mário, que atuava como advogado e claramente foi executado", completou o delegado.

A esposa do advogado foi ouvida ainda na noite de ontem. Nesta quarta-feira (8), outras testemunhas deverão ser ouvidas.

(DOL)

Justiça manda Detran credenciar clínica em Santarém
Terça, 07 Novembro 2017 16:45

Justiça manda Detran credenciar clínica em Santarém

Escrito por Portal OESTADONET

A Diretora Geral do Departamento de Trânsito do Estado do Pará, Andrea Yared de Oliveira Hass, publicou portaria  para credenciar a clínica S.E.S.M MÉDICOS S/S LTDA- CLIMEPTRAN, localizada na Av. Borges Leal nº 3374, Bairro Aparecida, em Santarém.

A medida atende à determinação judicial que obrigou o Detran a credenciar a clínica, pelo período de 12 (doze) meses, apta para realização de Exames de Aptidão Física e Mental e Avaliação Psicológica em Candidatos a obtenção de Carteira Nacional deH abilitação – CNH, Autorização para conduzir Ciclomotores - ACC, renovação de Exames, Mudança e Adição de categoria e outros exigidos pelo DETRAN/PA, bem como, as disposições das Resoluções dos Conselhos Federais de Medicina e Psicologia.

A  responsabilidade administrativa da clínica é de Humberto B. Ribeiro de Sousa, a responsabilidade médica de Maria Auxiliadora Rodrigues Martins e responsabilidade técnica da  psicóloga Ana Cláudia Mariz Frazão.

Seduc abre processo de pré-matrícula para novo ano letivo
Segunda, 06 Novembro 2017 10:21

Seduc abre processo de pré-matrícula para novo ano letivo

Escrito por Redação

A Secretaria de Estado de Educação (Seduc) está abrindo, para o ano letivo de 2018, 200 mil novas vagas nos diversos níveis de ensino oferecidos pela rede, que são: Fundamental I (1° ao 5° ano); Fundamental II (6° ao 9° ano); Ensino Médio Regular; Educação de Jovens e Adultos (EJA); Fundamental (1ª a 4ª etapa) e EJA Médio (1ª e 2ª etapas). Para garantir uma dessas oportunidades, o estudante precisará fazer a pré-matrícula, que estará disponível a partir desta segunda-feira, 6, até o dia 7 de janeiro de 2018. O processo será realizado por meio do portal da Seduc, www.seduc.pa.gov.br ou pelo telefone 0800-2800-078.

O processo de matrícula para o ano letivo de 2018, que inicia com a pré-matrícula, é para toda a rede estadual de ensino, que conta com 948 escolas, sendo 356 na Região Metropolitana de Belém e 592 no interior do Estado. Hoje, a rede conta com cerca de 650 mil alunos, mas a Seduc vai disponibilizar 800 mil vagas, esperando matricular estudantes oriundos de outras redes.

Prazos para alunos novos

Neste primeiro momento, a pré-matrícula é apenas para os alunos novos, isto é, para aqueles oriundos de outras redes, e para os portadores de deficiência. No site da Seduc, a pré-matrícula estará disponível 24 horas por dia, no prazo citado. Pelo telefone, os pretendentes à matrícula serão atendidos pela Central de Atendimento, de segunda a sexta-feira, no horário de 8h às 18h, até o dia 7 de janeiro.

São informações necessárias para a pré-matrícula quatro documentos:

  • Nome completo.
  • Data de nascimento.
  • Nome da mãe.
  • Endereço completo e Código de Endereçamento Postal (CEP).
  • Todos esses dados serão solicitados pelo atendente da Central e, no site, basta seguir os passos do formulário a ser preenchido.

    Segunda etapa em janeiro

    Finalizada essa fase, de 8 a 10 de janeiro ocorrerá a segunda etapa do processo, que é a confirmação de matrícula dos novos alunos, por grupos.

    Veja o calendário:

    8 de janeiro

    Confirmação de novos alunos portadores de deficiência.

    9 de janeiro

    Confirmação dos demais novos alunos do 1º ao 9º ano do Ensino Fundamental e da 1ª a 4ª Etapa da EJA Fundamental.

    10 de janeiro

    Confirmação de matrícula dos estudantes da 1ª a 3ª série do Ensino Médio Regular e da 1ª e 2ª etapas da EJA Médio.

    A confirmação de matrícula será realizada na escola escolhida pelo usuário no ato da pré-matrícula. Quando feita pelo site, ao final do procedimento é gerado um comprovante que inclui número de pré-inscrição, o dia, o horário e a documentação que deve ser apresentada no ato da confirmação de matrícula a ser feita na escola pretendida. Se for feita pelo telefone, é necessário anotar o número do protocolo.

    Segunda chance para novatos

    Quem não fez a pré-matrícula no calendário regular, terá uma nova chance nos dias 11 e 12 de janeiro. Trata-se, nesse caso, não mais de pré-matrícula, mas sim de matrícula efetiva, na própria escola pretendida.

    Antes de ir às escolas, no entanto, é recomendável que os pais ou responsáveis acessem o site da Seduc (www.seduc.pa.gov.br) ou liguem para o telefone citado acima, para saber em quais escolas ainda haverá vagas disponíveis, a fim de que se dirijam a essas escolas portando toda a documentação necessária e, assim, possam efetivar a matrícula.        

    Para quem já é da rede

    A rematrícula, remanejamento ou transferência dos alunos que já fazem parte da rede será realizada depois que for divulgado o resultado do aproveitamento escolar do aluno no ano letivo 2017. Os alunos com deficiência deverão apresentar, na confirmação de matrícula, documento comprobatório da deficiência ou outro documento de acompanhamento dessa deficiência.

     Texto:
    Elck Oliveira

    Redação do Enem: de volta ao começo
    Segunda, 06 Novembro 2017 09:26

    Redação do Enem: de volta ao começo

    Escrito por Lúcio Flávio Pinto

    Os mais de 6 milhões de candidatos do Enem deste ano foram desafiados a escrever um texto dissertativo-argumentativo de até 30 linhas sobre os “desafios para a formação educacional de surdos no Brasil”, incluindo uma proposta de intervenção para o problema apresentado.

    O tema está de acordo com a decisão do Ministério da Educação de aplicar nota zero automaticamente para redações consideradas desrespeitosas aos direitos humanos. Ou, como estabelece o edital: “que apresente impropérios, desenhos e outras formas propositais de anulação, bem como que desrespeite os direitos humanos, que será considerada 'anulada’”.

    Em boa hora a decisão foi derrubada pela presidente do Supremo Tribunal Federal, Cármen Lúcia, confirmando decisão anterior do Tribunal Regional Federal.

    Em recuperação do elementar bom senso, o MEC acatou o despacho, não deixando, porém, de alertar que ferir os direitos humanos poderia levar à perda de até 200 pontos, de um total de 1.000, na redação.

    Mais este episódio impõe a revisão dessa forma de seleção, adotada de uns anos para cá, de um exame único para permitir acesso às universidades federais do país, que constituem a maior rede de ensino superior do Brasil.

    Um exame único num país com as dimensões e as características do nosso, a pretexto de dar oportunidade isonômica para todos, é uma camisa-de-força a tratar igualmente os desiguais. Os candidatos das regiões que não adotam o horário de verão perdem uma hora em relação aos demais, como acontece na Amazônia e se agrava no Acre, com duas horas de diferença em relação a, por exemplo,o horário de Brasília.

    A prova única, imposta de cima para baixo pelos pedagogos do Inep, com sua diretriz impositiva, pôs fim a uma rica tradição de conteúdo regional, que tanto favorecia o melhor conhecimento da realidade regional amazônica. Era uma inspiração positiva diante do desconhecimento e mesmo ignorância nacional sobre as especificidades de uma região que representa dois terços do espaço físico nacional.

    O tema da redação deste ano pode ajudar a formar cidadãos, atraindo sua atenção para um problema em geral ignorado. Do ponto de vista da avaliação de candidatos a um curso universitário, porém, qual o valor pedagógico, intelectual e cultural para a aferição da capacidade do aspirante ao ensino superior? Qual o valor geral, capaz de dar oportunidade igual para todos, de um tema de tal particularidade, ainda que importante?

    Faz pensar em que o primeiro curso desse tipo, criado no Brasil com a vinda do imperador português João VI, em 1808, foi de surdos e mudos. A orientação politicamente correta restabeleceu esse elo com o passado remo (e tardio) do ensino universitário no Brasil.

    Campanha para reitoria da UFOPA se concentra na internet
    Segunda, 06 Novembro 2017 08:53

    Campanha para reitoria da UFOPA se concentra na internet

    Escrito por Portal OESTADONET

    Quatro das cinco chapas que concorrem às eleições do dia 5 de dezembro para os cargos de reitor e vice-reitor da Universidade Federal do Oeste do Pará(UFOPA) já deram inicio à caça de votos junto à comunidade acadêmica.

    As primeiras peças em perfis oficiais na internet começaram a ser veiculadas na madrugada desta segunda-feira(6). Apenas a campanha do candidato oficial da atual administração, Thiago Vieira, até o fechamento desta matéria não havia começado sua campanha virtual.

    As chapas Novos Rumos(Hugo Diniz e Aldenize Xavier), Ufopa em Ação(Jarsen Guimarães e Celson Lima), Por Uma Ufopa Compartilhada( Valdomiro Sousa e Deam Silva ) e Somos Ufopa ( Anselmo Colares e Waldiney Moraes) já apresentam perfis oficiais no Facebook e Twitter.

    A chapa Novos Rumos exibe um vídeo com o convite para o lançamento oficial da campanha para esta segunda-feira, às 15 horas, no Paraíso Shopping. Menciona a atuação do candidato a reitor Hugo Diniz no conselho superior da UFOPA, mostra obras realizadas na gestão pro-tempore, e se apresenta como candidatura de oposição à administração de Raimunda Monteiro.

    A chapa Somos UFOPA publicou mensagem dirigida à comunidade acadêmica, explicando por que Anselmo Colares e Waldiney Moraes são candidatos. “ Houve muitas manifestações, dos mais variados grupos que pertencem a comunidade acadêmica da UFOPA, demonstrando total apoio a uma candidatura que busca somar esforços na construção da universidade que nos acolhe e da qual a sociedade muito espera da reitoria”, diz o texto.

    A chapa Ufopa em Ação é a que mais apresenta conteúdo até agora publicado na internet. A página do Facebook exibe vídeos com mensagens de Jarsen Guimarães e Celson Lima contando a trajetória dos candidatos, divulga um link para que apoiadores baixem botom da campanha e mostra um texto com cinco grandes eixos que norteiam a campanha:

    A chapa Ufopa Compartilhada exibe no Facebook fotografias de Valdomiro Sousa e Deam Silva e faz um convite para um bate-papo virtual que será realizado quinta-feira, às 18h, quando os candidatos responderão as perguntas e apresentarão algumas propostas do programa de gestão. O perfil exibe um vídeo com depoimentos de Valdomiro e Deam e imagens de servidores e alunos como apoiadores de campanha da chapa 3.

    Segunda, 06 Novembro 2017 08:15

    Curso sobre direitos de crianças e adolescentes será esta semana em Santarém

    Escrito por Agência Pará

    Para fortalecer o Sistema de Garantia de Direitos da Criança e do Adolescente, impulsionando os debates e abrindo um diálogo construtivo entre os operadores do SGDCA e da rede de atenção a esse público em específico, o Mover estará promovendo nos dias 7 e 8, em Santarém, cursos de atualização voltadas a esse tema.

    O objetivo do curso é fomentar o debate sobre os direitos das crianças e adolescentes, em especial o Estatuto da Criança e do Adolescente, e qualificar conselheiros tutelares, técnicos de secretarias municipais de Assistência, Saúde e Educação, professores, diretores de escolas, adolescentes, técnicos dos Centros de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS) e de Centros de Referência de Assistência Social (CRAS), promotores de Justiça, defensores públicos, magistrados, policiais civis e militares e representantes da sociedade civil sobre os direitos dos jovens e adolescentes.

    O encontro acontece de 8h as 18h no auditório do Ministério Público, que fica na Avenida Barão do Rio Branco, nº 252, bairro Centro. A mesma programação já foi levada ao município de Breves, na Ilha do Marajó, e deve passar por outras regiões do estado.

    O coordenador do Mover, Antônio Neto, afirma que o encontro estebelece uma orientação para que os servidores possam tratar melhor das temáticas que envolvem crianças e jovens. “Com esses cursos esperamos qualificar e integrar toda a população da região, além de promover uma troca de experiências que possa garantir o cumprimento do estatuto”, declara.

    Durante os dois dias da programação serão realizados palestras, debates e workshops para identificar os principais desafios ao cumprimento do Estatuto da Criança e do Adolescente, e também para fortalecer as instituições que compõem o sistema de garantias de direitos.

    O evento busca potencializar a política de atendimento em rede sob a concepção de que as instituições e as esferas de governos só atingirão resultados eficientes se agirem de forma articulada. “Quando integramos as diversas esferas conseguimos organizar uma atuação complementar, uns com os outros, dentro dos princípios da transversalidade de políticas públicas. Com o Mover ainda incluímos a participação efetiva da sociedade para diminuição dos índices de violência por meio da difusão da cultura de paz e do fortalecimento do ECA”, ressalta Jorge Bittencourt, presidente da Fundação Pro Paz.

    STF nega pedido de AGU para zerar redações que ferirem direitos humanos
    Sábado, 04 Novembro 2017 13:08

    STF nega pedido de AGU para zerar redações que ferirem direitos humanos

    Escrito por Correio Web
    A presidente e ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, negou no início da tarde deste sábado (4/11), o pedido da Procuradoria Geral da República (PGR) e da Advocacia Geral da União (AGU) para permitir que o Ministério da Educação (MEC) dê nota zero em redações que ofenderem os direitos humanos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).      Com isso, a decisão do desembargador federal Carlos Moreira Alves, Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), se mantém e, em vez de anular o texto do candidato, será permitido o desconto de, no máximo, 200 pontos. O total da redação é de mil. O magistrado atendeu a uma ação civil pública da Associação Escola sem Partido, que alegava "caráter ideológico" no item 14.9.4 do edital do exame.    No texto, o desembargador afirmou que o "conteúdo ideológico do desenvolvimento do tema da redação é, ou deveria ser, um dos elementos de correção da prova discursiva, e não fundamento sumário para sua desconsideração, com atribuição de nota zero ao texto produzido, sem avaliação alguma em relação ao conteúdo intelectual desenvolvido pelo redator".   O magistrado  disse ainda que a regra viola, por si só, os direitos humanos, já que vai contra a "liberdade de expressão e de pensamento", protegidos pela Constituição Federal. No edital do exame, estão previstos exemplos de ações que violam os direitos humanos, como a defesa da tortura, da mutilação, execução sumária e da Justiça com as próprias mãos.     Cerca de 125 mil estudantes do Distrito Federal farão o Enem neste ano, que será aplicado em dois domingos diferentes - nos dias 5 e 12 de novembro. Os portões fecharão, assim como em todas as edições, às 13h pontualmente, no horário de Brasília. Nesta sexta, o secretário de Educação Júlio Gregório Filho ressaltou a importância do aluno chegar com antecedência nos locais de prova. Ele informou ainda que o trânsito estará livre até as proximidades da escolas.  
    Justiça suspende seguro-defeso no Pará
    Sábado, 04 Novembro 2017 08:48

    Justiça suspende seguro-defeso no Pará

    Escrito por Portal ORM

    Após acatar a denúncia do Ministério Público Federal sobre irregularidades cometidas na Superintendência de Agricultura e Pesca no Pará, a Justiça Federal suspendeu na segunda-feira (30) os pagamentos do seguro-defeso concedidos pelo órgão no Estado.

    Além de interromper o custeio do benefício, o juiz federal Antônio Carlos Campelo, da 4ª Vara Federal, decretou a prisão preventiva de duas ex-gestoras da Superintendência: Soane Castro de Moura e Thicyana Ricka de Sousa Nunes.

    A Polícia Federal confirmou o cumprimento, sexta-feira(3), de um mandado de prisão solicitado pelo Ministério Público Federal contra duas ex-gestoras da Superintendência de Pesca e Aquicultura do Pará. Soane Castro de Moura e Thicyana Ricka de Sousa Nunes são investigadas pelo desvio de R$ 64 milhões no pagamento do seguro defeso, que é pago a pescadores.

    No entanto, a PF não esclareceu qual das duas ex-funcionárias foi presa e se a outra já foi localizada, haja vista ter mudado de residência.

    O SESP e suas avenidas
    Sexta, 03 Novembro 2017 16:14

    O SESP e suas avenidas

    Escrito por Cristóvan Sena

    O ciclo da borracha na Amazônia teve início a partir da segunda metade do século XIX. Seu apogeu ocorreu entre 1879 e 1912. Durou relativamente pouco. 

    A história do fracasso teve início quando os ingleses, através de Henry Wickham, levaram para o Jardim Botânico de Kew Garden, em Londres, 70 mil sementes de seringueira. Isso em 1876.

    Trinta anos depois, em 1906, os ingleses começaram a consumir as suas primeiras 500 toneladas de borracha natural. Borracha produzida através do plantio racional da seringueira nas suas possessões localizadas na região asiática.
    Em 1908 a Amazônia ainda dominava a produção de borracha, chegando a 94% do total produzido no mundo. Domínio efêmero. Em 1913 a produção do sudeste asiático alcançou a mesma produção do Vale Amazônico. E não parou de crescer.

    Para a Amazônia, que continuava e nunca saiu do extrativismo, representou o fim do ciclo do "Ouro Negro". Ciclo que, numa relação escravagista dos seringalistas com os seringueiros, alimentou a excentricidade da elite local que mandava suas roupas finas para serem lavadas em Paris e acender charuto com nota de cem libras esterlinas. É o que a história conta.

    A região experimentou com a borracha uma sobrevida durante a II Guerra Mundial que irrompeu na Europa em 1939. De um lado as tropas do Eixo: Alemanha, Itália e Japão. Do outro lado os aliados, tendo a frente a União Soviética, Estados Unidos e o Reino Unido. Os japoneses invadem parte da Ásia e passam a controlar a produção de borracha que era cartel dominado pelos ingleses.

    Para movimentar a sua crescente indústria automobilística e de equipamentos de guerra, os americanos se abasteciam da borracha comercializada pelos ingleses.
    Com o corte desse fornecimento pelos japoneses, eles voltam seus olhos para a Amazônia, a ex-maior produtora de borracha do mundo. Único lugar que poderia suprir, quase que de imediato, suas necessidades desse estratégico produto.

    Os americanos tinham aço, carvão, tinham indústrias, mas faltava-lhes borracha. Sem ela não poderiam movimentar sua máquina de guerra. Era imperativo reativar o extrativismo da produção de borracha na Amazônia. Para isso acontecer, a potência americana precisava do apoio estratégico do Brasil. Em 1941, logo após a entrada dos Estados Unidos na guerra, os dois governos assinam o famoso Acordo de Washington, com a finalidade de viabilizar a reativação dos seringais nativos da Amazônia. Acordo que funcionou até o final da guerra, em 1945.

    Pelo direito exclusivo da aquisição da borracha produzida na Amazônia, o presidente americano Franklin Delano Roosevelt oferece ao Brasil cem milhões de dólares. Oferta que o presidente Getúlio Dornelles Vargas, mesmo tendo simpatia pelos países do Eixo, não recusa.

    No momento da assinatura do acordo os seringais estavam desativados. Não havia seringueiros na floresta para produzir o látex necessário para suprir a demanda dos americanos. Foi lançada então uma grande campanha patriótica convocando um exército para ir a Amazônia. Foi criado o Serviço Especial de Mobilização de Trabalhadores para a Amazônia - SEMTA, e a Superintendência de Abastecimento do Vale Amazônico - SAVA.

    O contingente de trabalhadores mobilizados pela SEMTA passa a se chamar Soldados da Borracha. Mais de 60 mil nordestinos brasileiros são enviados para a floresta onde começa a imediata extração do látex.
    No seu documentário "Soldados da Borracha", Caito Martins descreve o drama desses brasileiros desafortunados. Oriundos de uma região seca, encontram abundância de água, umidade elevada, animais peçonhentos, mosquitos, malária. Ambiente totalmente estranho e hostil para eles. Passam a trabalhar como escravos, longe das famílias.

    Apesar de todas essas dificuldades os Soldados da Borracha conseguem elevar a produção do látex para mais de 10 mil toneladas por ano. Pelo Acordo de Washington, eles teriam direito a um pequeno salário e quando a guerra terminasse receberiam uma pensão. Em 1945 a guerra chega ao fim com a vitória dos aliados.

    Guerra finda, os Soldados da Borracha são esquecidos. Não foram convidados para as comemorações da vitória dos aliados no Rio de Janeiro. A pensão prometida sumiu.

    A extração da borracha foi paralisada. Muitos não tinham para onde ir e nem dinheiro para começar uma vida nova.
    Outros ainda deviam dinheiro para os donos dos seringais e foram vendidos como escravos. Uns conseguem fugir para a floresta, outros são mortos por pistoleiros a mando dos proprietários dos seringais.

    Dos 25 mil bravos soldados brasileiros que foram para a guerra, 451 morreram lutando na frente de batalha.
    Dos mais de 60 mil Soldados da Borracha enviados para a selva amazônica, morre mais da metade. Para Caito Martins a batalha da borracha representa um capítulo obscuro e sem glória do nosso passado não reconhecido, mas que continua vivo na memória dos últimos e ainda abandonados sobreviventes.

    Com o incentivo financeiro do Acordo de Washington, dentre outras atribuições, o governo brasileiro se comprometia a sanear a Amazônia, cuidando da saúde dos seringueiros. Para tanto foi criado em 17 de julho de 1942 o Serviço Especial de Saúde Pública (SESP), subordinado ao Ministério da Educação e Saúde. Sua criação visava implantar nas áreas de extração da borracha na Amazônia, ações de combate à malária e a outras endemias.

    Uma das unidades do SESP foi implantada em Santarém. No livro "Santarém Logradouros Públicos", do historiador Wilde Fonseca, editado pelo ICBS em 2007, na página 13, ele escreve o seguinte: "Do Acordo firmado entre os governos do Brasil e dos Estados Unidos, constava uma cláusula: as ruas que passariam pela frente e pelos fundos do hospital (SESP), receberiam os nomes dos dois presidentes signatários do Acordo, e assim foi cumprido. À rua da frente do hospital foi dado o nome de Avenida Presidente Vargas e à dos fundos, Avenida Presidente Roosevelt e assim ficou por muitos anos. Mais tarde, creio que por desconhecimento do acordo assinado entre os dois governos, a Presidente Roosevelt teve seu nome substituído por Marechal Rondon".

    A mudança do nome não passou pela Câmara, não foi ideia xenófoba de um vereador desinformado. Ela estava fechada quando o fato aconteceu. Foi fruto de decreto do então interventor Elmano de Moura Melo (1969/71).
    Após o assassinato do prefeito Elinaldo Barbosa dos Santos (1968/69), o governo militar, através do Decreto Lei nº 866 de 21 de setembro de 1969, transformou Santarém em Área de Segurança Nacional, sendo o capitão do exército Elmano Melo o primeiro interventor municipal. Situação que durou até 1985.

    Nada contra o Marechal Cândido Mariano da Silva Rondon, mas o interventor poderia muito bem ter escolhido um outro logradouro público para homenagear o ilustre militar e sertanista brasileiro. Manteria, assim, intacta a história do acordo que trouxe para Santarém o Serviço Especial de Saúde Pública, atual Hospital Municipal.

    Visite a página do ICBS: www.icbsena.com.br

     

    Manaus é África. Ou a pessoa é rica rica, ou é muito pobre, diz Yuri em A Fazenda

    São Paulo – Os participantes de A Fazenda 9, Yuri e Aritana, passaram a tarde da última quarta-feira (1º) conversando sobre suas viagens pelo Brasil, e Yuri comparou a cidade de Manaus com o continente africano. As informações são do UOL.

    “Manaus é África, tente. Ou a pessoa é rica rica, ou é muito pobre. Eu vou pra lá umas dez vezes por ano, tenho três contratantes de lá, é surreal a desigualdade social lá. É muito triste”, explicou o peão.

    Aritana concordou, e explicou uma situação que a impressionou em uma visita na cidade. “Eu fui comprar cigarro, daí parei numa loja de conveniência e pedi dois maços de cigarro e um chocolate. Deu 40 reais, e fiquei de cara. Pensei que achavam que eu tinha cara de trouxa por ser paulista. Mas daí me explicaram que lá tudo chega de barco, então eles colocam o preço que querem nas coisas”.

    “É muito difícil mesmo viver por ali, eles precisam colocar esses preços pra sobreviver”, respondeu Yuri..

    Saiba o que é obrigatório e o que não pode levar para a prova do Enem

    Os estudantes que vão fazer o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) devem ficar atentos ao material que precisam levar no dia da prova e ao que não é permitido durante a aplicação do exame. No dia da prova, é obrigatório apresentar um documento oficial de identificação com foto.

    O documento pode ser a carteira de identidade, carteira de motorista, carteira de trabalho, carteira de reservista ou passaporte. A carteira de estudante não será aceita como documento oficial. Também não serão aceitas cópias, nem mesmo as autenticadas.

    Se o candidato perdeu ou teve o documento roubado, deverá apresentar um boletim de ocorrência expedido por órgão policial há, no máximo, 90 dias do primeiro domingo de aplicação do Enem – dia 5 de novembro.

    Para fazer as provas, a redação e preencher o cartão de respostas o candidato terá de usar caneta esferográfica de tinta preta, fabricada com material transparente. Outra cor de tinta impossibilita a leitura óptica do cartão de respostas.

    O cartão de comprovação de inscrição, que deve ser impresso na página do Enem, não é obrigatório, mas é recomendável levar para ter acesso mais fácil a dados como o local e a sala da prova. Quem precisar comprovar sua presença na prova, para apresentar no trabalho, por exemplo, deve levar a declaração de comparecimento impressa e colher a assinatura do coordenador no dia da prova. O formulário está disponível na Página do Participante.

    Lanches são permitidos, mas os alimentos industrializados, como biscoitos, salgadinhos e iogurte precisam estar com as embalagens lacradas. Todos serão vistoriados antes do ingresso na sala.

    Itens proibidos

    Não é autorizado o uso de celular ou de qualquer aparelho eletrônico durante as provas. Os aparelhos terão de ser colocados em um porta-objetos com lacre, que deverá ficar embaixo da cadeira até o final das provas.

    O candidato também não poderá usar lápis, lapiseira, borrachas, livros, manuais, impressos, anotações, óculos escuros, boné, chapéu, gorro e similares e portar armas de qualquer espécie, mesmo com documento de porte. Se estiver com um desses objetos, eles deverão ser colocados no porta-objetos.

    Atenção

    Neste ano, pela primeira vez será usada a prova personalizada, com os cadernos de questões e o caderno de respostas identificados com nome e número de inscrição do participante. Ao receber a prova, o candidato deverá verificar se o caderno de questões e o cartão de respostas têm a mesma quantidade de itens, se o nome está correto e se não há defeito gráfico.

    O aluno poderá deixar o local duas horas depois do início da prova. Só é possível sair com o caderno de questões nos últimos 30 minutos antes do fim das provas.

    Segurança

    Neste ano, serão usados 67 mil detectores de metal durante o Enem, um para cada 100 participantes. Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), esse número garante a vistoria dos participantes na entrada e na saída de todos os banheiros das 13.632 coordenações de local de aplicação. Neste ano também serão usados detectores de ponto eletrônico.

    Itens Proibidos no dia da prova:

    Lápis

    Chaves

    Livros

    Manuais

    Borracha

    Anotações

    Boné, chapéu, viseira, gorro ou similares

    Fones de ouvido ou qualquer transmissor, gravador ou receptor de dados, imagens, vídeos e mensagens

    Impressos

    Lapiseira

    Óculos escuros

    Caneta de material não transparente

    Dispositivos eletrônicos (calculadoras, agendas eletrônicas ou similares, telefones celulares, smartphones, tablets, ipods, pen drives, mp3 ou similares, gravadores, relógios, alarmes)

     

    Tapajós quer garantir a vaga antecipada para a próxima fase da Segundinha
    Sexta, 03 Novembro 2017 07:30

    Tapajós quer garantir a vaga antecipada para a próxima fase da Segundinha

    Escrito por K.L.Carvalho

    Invicto na competição, com cinco gols marcados, nenhum sofrido, seis pontos na tabela e líder isolado no Grupo A3 do Campeonato Paraense da Segunda Divisão, o Tapajós joga amanhã (4), contra o Paraense pela quarta rodada e pode garantir a classificação antecipada para a próxima fase da competição estadual.

    Além dos números favoráveis, o técnico Lecheva não tem nenhum desfalque para o próximo jogo e ainda garante que todos os atletas estão com o nome no Boletim Informativo Diário (BID) da CBF. O comandante do Boto até brinca, dizendo que não tem nenhuma notícia para o dia, mas se tudo está se encaminhando para o time santareno se garantir na elite do futebol em 2018, e o desempenho do grupo tem sido satisfatório, a torcida do Tapajós em Santarém precisa saber.

    “Está tudo em ordem com os meus jogadores e nós estamos trabalhando para ter esse desempenho mesmo em campo, só que, mais do que esses números, o que mais me deixa grato é a atuação deles, porque, principalmente em uma competição curta, é importante a gente começar bem”, frisou Lecheva, lembrando ainda que não existe nenhuma garantia para a classificação do Boto. “Não temos nada ainda, mas esse jogo pode garantir a classificação antecipada, assim como também pode ser para o Paraense uma sobrevida, já que eles ainda não ganharam nenhum jogo. Independente das condições a minha equipe já vai em busca da vitória”, ressaltou o técnico do Tapajós.

    O Boto faz seu último treinamento hoje, no Centro Esportivo da Juventude (Ceju), visando o jogo contra o Paraense, amanhã, no Mangueirão, às 15h30.

    Pagina 2 de 164